Redes de Proteção

Telas Segurança em Troca de Telhados

Redes de Proteção para Segurança trabalho

As Redes de Proteção contra quedas de pessoas e objetos devem ser utilizadas preventivamente para evitar acidentes na SEGURANÇA DO TRABALHO. Podem ser utilizadas em Indústrias e em Construções. Nestes casos, as  redes de proteção devem ter como objetivos práticos em sua utilização:
1. Impedir a queda de pessoas ou objetos e, quando isto não for possível;
2. Limitar a queda de pessoas ou objetos.
Com a finalidade de IMPEDIR A QUEDA deve-se utilizar as redes verticalmente, limitando e impedindo o acesso dos trabalhadores a uma determinada área limítrofe da obra (ex imag 22). Pode-se utilizar, fundamentalmente, para proteger os bordos de pisos ou placas, fachadas internas ou externas, entre outras aplicações,  colocando sempre a rede pelo lado interno dos pilares.
Estas redes de proteção devem ser confeccionadas em fio de nylon com espessura mínima de 1,5mm, com malha de até 100mm e ter uma altura mínima de 1,50m. Tanto na parte superior quanto na inferior deve possuir uma corda trançada em nylon com a espessura de 8,0mm, entralhada diretamente na rede. Estas cordas devem ser fixadas em pontos de ancoragem compatíveis com o fim a que se destina a proteção, de tal forma que o centro de esforço suporte até 150,0Kg.

Com a finalidade de LIMITAR A QUEDA, a rede deve ser confeccionada em fio de nylon com alta compactação, sem propagação de chamas com no mínimo 2,5mm de espessura resistente a altas temperaturas com propósito de resistir ao aquecimento de lâmpadas, luminárias  e fagulhas de soldas, possuir malha de no máximo 30mm, ter alta resistência a abrasão e ser fixada de forma horizontal, debaixo de zonas de trabalhos em altura, para recolher pessoas ou objetos que possam cair durante a execução das obras, protegendo assim as pessoas que circulam pelo local durante as obras e reformas em galpões industriais que não podem ter suas atividades interrompidas, e exercer um trabalho de absorção de impacto dinâmico para preservação da integridade dos orgãos internos de um indivíduo em queda livre, através do deslocamento da rede, contudo, o deslocamento deve ocorrer uma única vez durante a queda no sentido de absorver a energia de impacto e frear o movimento sem devolver o indivíduo ao alto novamente.  A rede deve adaptar-se na sua concepção e dimensão ao tipo de trabalho que se vai executar e em sua instalação deve-se considerar que os pontos de ancoragem devem estar preparados para suportarem a energia de impacto. É imprescindível deixar uma distância de segurança entre a rede e o solo ou entre a rede e qualquer obstáculo, em virtude do deslocamento de absorção da mesma.

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS REDES DE PROTEÇÃO
As Redes de Proteção  DEVARIM são fabricadas dentro das mais avançadas normas técnicas, com Know-how, laboratório e fabricação próprios desenvolvido ao longo de 63 anos de tradição sendo rigorosamente testadas de acordo com as normas ISSO 1107/1805, em conformidade com a Instrução de Trabalho IT – 4.10/2800. A composição do filamento avaliada pelo método ABNT – PMP 862, sendo constatado a presença de 99,9% de poliamida 6.6.
rede de proteção é feita com fios de fibra, sintéticos, constituindo um conjunto dinâmico com grande capacidade de absorção de energia.
As malhas são fixadas a espaços regulares à corda perimetral, impedindo assim o deslizamento entre o conjunto corda/rede preservando suas propriedades físicas.
De acordo com essas primeiras considerações, a normalização sobre redes deve ter em conta os seguintes aspectos:
– Peso e características morfológicas dos móveis a reter;
– Altura máxima permissível de queda dos móveis;
– Esforços devidos ao vento;
– Coeficiente e características morfológicas dos objetos de ensaio;
– Altura de queda dos objetos de ensaio;
– Característica elástica e de resistência dos componentes da rede. O coeficiente de segurança delimitará a zona do “Diagrama esforço-deformação” em que terão de trabalhar as fibras.
– Tamanho mínimo da rede;
– Tamanho máximo em função do compromisso “peso próprio – tensões iniciais – flecha inicial”;
– Flecha inicial da rede;
– Flecha final da rede (para determinar o espaço necessário sob a rede que fique livre para eventualidade de ocorrer uma queda);
– Corda perimetral;
– Cordas reforçadoras e tensoras;
– “P” Peso que cai;
– “L” Separação entre apoios da rede;
– “H” Altura da queda relativa aos suportes;
– “f” Flecha da rede;
– “N” Esforços nos fios das malhas que trabalham;
– “I” Longitude das cordas;
– “I 0” Longitude inicial para f0.
Para que as redes de proteção possam cumprir a função protetora necessitam de elementos auxiliares que as suportem, uma vez que os módulos de redes não são do tipo rígido, e que, portanto, não possuem uma determinada forma.
rede de proteção deve estar circunscrita, encaixilhada ou amarrada a elementos chamados suportes. O conjunto rede-suporte deve ser ancorado a elementos fixos da construção para que proporcionem uma proteção adequada.

Telas de proteção para segurança do trabalho

► Telas de proteção para Janelas e Sacadas
► Telas de proteção para Piscinas
► Telas de proteção para Quadras Poliesportivas
► Telas de proteção para escadas e Playgrounds
► Telas de proteção Indústrias e Construções
► Outros
► Instalação de telas de proteção

Ao lado alguns dos condomínios que contrataram nossos serviços, econtre o seu